A artrite reumatóide é uma doença reumática crónica inflamatória em que, por uma razão desconhecida, o organismo deixa de reconhecer a articulação, ou os órgãos afetados, como seus e reage contra eles (reação autoimune). Assim, não existe uma causa identificada da artrite reumatóide, mas sabemos que alguns fatores genéticos e ambientais, como o tabaco ou infeções, alterações hormonais, stress, podem contribuir para o aparecimento desta doença. Apesar de não existir cura para a doença, existem tratamentos muito eficazes que podem reverter completamente os sintomas do doente, quando começados atempadamente.

Ocorre em todas as idades e tem como manifestação principal o envolvimento das articulações. Pode, contudo, afetar outros órgãos (como o coração, o pulmão, a pele, o olho, o sistema nervoso periférico) e ter outras manifestações clínicas.

Os principais sintomas são a dor e inchaço das articulações (principalmente mãos e pés, punhos e cotovelos, mas pode envolver outras articulações, habitualmente de forma simétrica), diminuição da mobilidade das articulações, a rigidez matinal superior a 30 minutos (o doente sente-se muito “preso” ao realizar movimentos nas primeiras horas após acordar ou após longos períodos de repouso), fadiga, cansaço, febre e perda de peso. A inflamação da articulação pode conduzir à destruição progressiva das articulações e à perda de função. O doente com artrite reumatóide pode ter dificuldades nas atividades simples do dia-a-dia, como levantar-se, vestir-se, agarrar numa caneta, abrir uma porta, calçar os sapatos e caminhar.

TER UMA VIDA SAUDÁVEL

Todos os doentes com artrite reumatóide devem adotar um estilo de vida saudável: os doentes fumadores devem deixar de fumar; em doentes com excesso de peso, é aconselhada a perda ponderal para prevenir o desgaste articular e outras doenças, como hipertensão e diabetes, e os doentes devem ter uma dieta equilibrada, do tipo mediterrânica, com quantidade suficiente de frutos e vegetais (antioxidantes) e sem excesso calórico, nem de gorduras e com uma quantidade moderada de proteínas. A doença pode causar perda muscular por atrofia e, consequentemente, dificuldades motoras, pelo que é sempre recomendada a prática de exercício físico, devidamente orientada pela equipa médica, com exercícios isotónicos e isométricos para fortalecimento muscular e manutenção da função articular, e exercícios aeróbicos para otimização do sistema cardiorrespiratório.

Atualmente existem cada vez mais fármacos que são muito eficazes no tratamento da artrite reumatóide. Uma pessoa que tenha dor mantida nas articulações deve procurar um profissional de saúde, nomeadamente o seu médico de família, para o encaminhar para uma consulta de Reumatologia. Um diagnóstico e tratamento precoces fazem toda a diferença na evolução de um doente com artrite reumatóide. O doente com artrite reumatóide pode ter uma vida praticamente normal. A Sociedade Portuguesa de Reumatologia, a Associação Nacional de doentes com Artrite Reumatóide e a Liga Portuguesa Contra as Doenças Reumáticas podem ajudá-lo a “aprender a viver com a doença, apesar da doença”.

Texto da autoria de: Professora Ana Filipa Mourão, reumatologista, vice-presidente da Sociedade Portuguesa de Reumatologia

Siga-nos na sua rede favorita.